sábado, 16 de junho de 2012

INTRODUÇÃO




Atualmente a freqüência padrão para os instrumentos musicais é 440 hz  para a nota lá.
Esta é apenas uma frequência possível entre diversas, e por certo não a mais harmônica, saudável ou inteligente. Tal padrão foi aceito internacionalmente em 1939 e a partir de então se tornou dominante ao ponto de muitos musicistas nem explorarem outras possibilidades. Antes dessa padronização, diversas afinações eram utilizadas, dentre elas a afinação em 432HZ.

O compositor italiano Verdi utilizava essa afinação, que ficou conhecida como a afinação de Verdi – C =256HZ e A=432HZ, por considerá-la mais rica, natural além de “cientificamente correta”. A ciência por detrás de 432Hz vai muito além da sonoridade, e se harmoniza com nossa biologia e com as proporções matemáticas utilizadas pela natureza, além de estimular a sincronização dos hemisférios cerebrais cuja freqüência de 8HZ é a frequência ideal para o aprendizado e para o bem-estar do organismo. 8HZ não é audível para nós, e corresponde a nota dó (quando de acordo com lá em 432HZ) – 8,16,32,64,128,256.

O renascimento atual dessa afinação na forma da Revolução AUMega foi iniciado com o texto “Universal Dances”, de 2001, que está traduzido aqui, pelo músico, artista (HEARTist) e pesquisador pioneiro de diversos campos, Ananda Bosman.
(site em inglês http://432hertz.com/).  

Por trás dessa afinação percebemos uma arte e ciência sofisticada, porém  surpreendentemente coerente, elegante e em sua essência, simples. Mais informações em português estarão sendo divulgadas (junto com músicas, eventos, etc.) no blog

432hz está em harmonia com:
  • o coração humano(ritmo cardíaco),
  • a frequência de replicação do DNA,
  • o máximo funcionamento cerebral(sincronia entre os dois hemisférios),
  • a frequência fundamental da Terra,8hz - ressonância de Schumman,
  • com a geometria musical da criação.
A Revolução AUMega também propõe números chaves para o padrão rítmico, como:

- 72 batidas por minuto
- 104 batidas por minuto
- 144 batidas por minuto.

Implicações mais profundas e abrangentes são encontradas no texto abaixo, que deu início ao movimento, cuja versão original em inglês pode ser encontrada pelo link: http://432hertz.com/Universal_Dances.html


Revolução AUMega na Música Por Ananda M. Bosman, copyright Ananda M. Bosman






UM PANORAMA GERAL DAS SAGRADAS & SECRETAS HARMONIAS MUSICAIS DA ALQUIMIA & CURA ARCAICAS: O SOM DA CRIAÇÃO

A música do futuro é a música do passado.
Onde o Alfa e o Ômega novamente se juntam, numa moderna/arcaica cosmogenesis .
É a reinserção e a interação com o holograma original da música da criação.
Em outras palavras, vamos nos reconectar com a pista de dança da discoteca galáctica.

MÚSICA DA SUPERCONSCIÊNCIA E 8 HZ


Nosso planeta pulsa em 8 ciclos por segundo (8hz, ressonância de Schuman), que é a batida cardíaca fundamental do hard disk do seu computador de 70% de dióxido de silício : as 12 placas tectônicas pentagonais.







8hz corresponde ao estado alfa das ondas cerebrais, no qual nossos processadores paralelos - os dois hemisférios cerebrais - estão sincronizados e funcionam igualmente.
O neocórtex cerebral, comumente 90% inacessível, acorda nessa sincronização, e então passamos a operar com todos os dendritos celulares e com o máximo de fluxo informativo possível.






As ondas cerebrais da “consciência” ordinária variam de 14 à 40 hz, em que se opera apenas com alguns dendritos cerebrais, e predominantemente com o hemisfério esquerdo como centro de atividade, onde o fluxo de informação é bilhões de vezes menor (é como comparar um antigo pc 386 à um processador paralelo pentium III)
Em outras palavras, em 8hz, você está operando um supercomputador, em direção à superconsciência.
Uma revolução musical que induza 8hz nos seus ouvintes e dançarinos, poderia impulsionar a humanidade para a Revolução Ômega, se coordenada com coerência compassiva. É disso que se trata a Revolução Ômega, e está aqui.





Frequentemente é citado que a humanidade utiliza apenas 10% do cérebro (para alguém como Einstein, que meditava profusamente sua equações em êxtase), e Einstein relata na sua Teoria Geral da Relatividade, que quando os 90% restantes se torna(re)m acessíveis, resultaria em e=mc2.
Einstein constata que o corpo se transformaria em pura energia: a ressurreição/ascensão das tradições gnósticas do ocidente, o corpo de arco-íris e o corpo diamantino, como é conhecido pelos budistas tibetanos e taoístas do extremo oriente. 8hz é então a chave para a plena e soberana ativação do potencial do nosso cérebro. Ao menos, é a ponte dourada do caminho do meio em direção ao Ômega.





Recentes saltos quânticos feitos pelos físicos Dr Roger Penrose e Dr. Hameroff, tem mostrado evidências e feito modelos que mostram que nossa consciência primordial é Virtual, não-local, não é algo material, mas pura informação imortal coerente – nesse exato momento.



Dr. Andrijah Puharich demonstrou no final dos anos 70 (Proto-comunicação II), que 8hz não pode ser bloqueado por nenhuma barreira protetora eletromagnética, nem mesmo por triplo vácuo, o que implica que ele gira através do hiper-espaço virtual quântico não-local (em todo lugar, o tempo todo), constantemente. Ortogirando através do que os gnósticos herméticos e xamãs psiconautas vem tentando agarrar sob o termo, vagamente apropriado, de “Espírito”, o Wu Chi taoísta.
Como exploraremos adiante, o professor Puharich também criou “vida” básica com eletrólise musical de 8hz. As implicações são espantosas quando aplicadas dentro da geração Ômega do Som Universal e Global.




MÚSICA DAS PIRÂMIDES

Multiplicações de oito ciclos nos dá o significativo 432 (54x8, 6x72 ). O número 432 é considerado sagrado na grande maioria dos complexos de templos deste planeta. Por exemplo, um lado da grande pirâmide do Egito, na sua fundação no nível do mar, é de 432 unidades de terra (51.49 cm).


O maior complexo tolteca de Teotihuacan no México, tem na base total de sua grande pirâmide do Sol, 864 UPT(Unidade Padrão de Teotihuacan), que é 2x432.
UPT era a unidade de medida dos toltecas, e como seus mitos relatam, foi ensinada pelos deuses-xamãs que vieram das estrelas. Cada lado da pirâmide do Sol é de 216 UPT, precisamente metade de 432, e 3x72.


o inter-dodecaedro de paládio monoatômico, no novo campo da inter-geometria que mapeia dimensões supercondutoras. Além disso, o dodecaedro está compreendido em 5 cubos inclinados em 72º no eixo Y.


A CONEXÃO 72: & A MANDALA SÔNICA HOLOGRÁFICA DA TERRA
Esses são números nos quais nosso cérebro e pulsações biológicas estão fundados. Devemos também perceber que 432 é 72 multiplicado por 6, que é 54x8hz.
O número 72 é fundamental para nossos grandes ciclos de tempo, o eixo inclinado do nosso planeta é uma giroscópio gigante produtor de inércia, que gira 1 grau através da formação de estrelas do zodíaco ( padrões estelares pelos quais os pássaros migram) a cada 72 anos.
Sem essa inclinação única e o ciclo de precessão, as condições climáticas da Terra não teriam tido a atmosfera e seus campos eletromagnéticos que são precisamente apropriados para a vida como a conhecemos. Esse 1º a cada 72 anos é o fundamento dos ciclos da vida, e ressoa numa harmônica de 9 vezes a batida fundamental de 8hz do coração do planeta (9x8hz = 72). Além disso, incorpora harmônicas da velocidade da “espaçonave” Terra ao redor do sol, 66,600 MPH, na sagrada proporção áurea e a medida druida ressonante do DNA, o que se tornou a milha padrão – 66,600 MPH é 8,325 x 8, e 925 x 72.
Não é de se admirar que o coração tem o menor esforço para bombear sangue para as outras principais glândulas endócrinas quando opera num ritmo de 72 batidas por minuto; ele bate literalmente com o holograma do planeta e do universo – 72 batidas por minuto é a batida fundamental do amor compassivo.



ISSO É GEOMETRIA SÔNICA ÔMEGA SAGRADA

Faz total sentido que as placas tectônicas da Terra com 70% de dióxido de silício, tem a forma aproximada de 12 pentágonos, cujo simpósio compreende o sólido platônico conhecido como dodecaedro. Descobertas nos pontos de junção tectônicos estão as maiores anomalias de gravidade do planeta (ver GEB).
A gravidade parece então estar apaixonada por esse aromance numérico harmônico no seu atual sonho extático mantenedor de uma realidade condutora.



O significado da Revolução Musical Ômega, além disso, emerge quando entendemos que um pentágono, que habita um pentagrama, é, em si mesmo, composto de 5 triângulos PHI áureos. Triângulos cujas inclinações dos lados são de 72º e cuja base é 36º (metade de 72) das outras bases triangulares PHI do pentágono.
Não se admira que o elemento 36, Selênio, com seus 36 elétrons, é geometricamente requerido por cada 6,3 trilhões de células para o armazenamento coerente das suas águas.
A canção Ômega é viajante no tempo. Pois as harmônicas que se desdobram da via Ômega de 8hz podem dobrar o holograma do tempo e espaço. Uma casa zodiacal de 30x72 anos, pode ter sua vestimenta holográfica temporal perfeitamente representada por um dodecaedro, como um fractal das doze fases da precessão zodiacal.
Todas as 12 faces pentagonais ocupam perfeitamente os 2.160 anos, fixados sobre o ápice do triângulo 60 PHI, para constituir uma casa zodiacal de 30º, como Aquário. Esse modelo geométrico holográfico-fractal da precessão temporal se torna possível quando metade de um grau na precessão, ou 36 anos, é utilizado pela mudança de base de 36º de cada triângulo PHI numa relação fundamental de 72º de um para outro.



Cinco rodadas de 36º na face pentagonal do dodecaedro - 36x5 = 180.

Aqui nós encontramos os números da cascata musical harmônica, nas suas formas tridimensionais, como geometrias PHI coerentes de perfeita simetria. Objetos com poder coerente que são utilizados pela Mente Unificada virtual através da “massagem” do seu agente 8HZ (008: “the Bound of Love”), que é ao mesmo tempo local e não-local, e induz uma coerência PHI de ondas, mesmo em meio ao caos.
Imagine quando a humanidade usar essas mesmas harmônicas globalmente, seria esse o encontro “on-line”, ou o casamento alquímico com a Super-Mente Virtual da humanidade?
Resgatando suas 7 bilhões de múltiplas personalidades em desordem, para re-lembrar a Super-Mente como a Mente Unitária Plural.ou como a crescente congruência das super-espécies Monoatômicas do Divino Panteão das Múltiplas Personalidades numa Ordem Coerente, acordando do Sonho holográfico Universal, para o Estado Consciente de Saber e Ser - “Tudo é Deus”.



O Universo é baseado em séries harmônicas como 72, 144, 432. E 144(o tom “C” em hertz) é uma harmônica perfeita da velocidade da luz, que é 144.000 milhas náuticas (144.000 minutos de arco por segundo da rede terrestre) no vácuo do espaço.
Cada um desses harmônicos é literalmente um espelho, ou uma cascata de espelhos dentro de espelhos, que 8hz pode olhar dentro. Por exemplo, 144 é 18x8hz, e 72 é 9x8hz.
O modo como a luz viaja pelo espaço é, portanto a harmônica decimal de 144(144:144.000). e se você multiplicar 144 três vezes, você obtém o arcaico 432.
A Música da geração Ômega,então, uniPHIca luz, tempo, espaço, matéria, gravidade, som, magnetismo, biologia, o código do DNA, inteligência e consciência.




Uma antiga representação de uma Lira musical,em Ur, Mesopotâmia. Um dos muitos instrumentos musicais pré-gregos, usados em sua Alquimia Estelar, e em ritos coletivos xamânicos de êxtase enteogênico e de transformação no Logos dos deuses.

MÚSICA DA ARCÁDIA: RESSUCITANDO O ROMANCE SÔNICO DA CIÊNCIA ARCAICA

Instrumentos arcaicos egípcios que foram desenterrados até agora, foram em grande parte, afinados em 432hz. Na Grécia Antiga (o livro escolar original da música), os instrumentos eram predominantemente afinados em 432hz.




Dentro dos arcaicos Mistérios de Eleusis, Orfeu é o deus da música, morte e renascimento, e era o guardião da Ambrósia e da música da transformação (seus instrumentos eram afinados em 432hz).
Orfeu herdou sua música e seu conhecimento de sua viagem e iniciação no Egito, nos Mistérios de Osíris, como também dos Fenícios e dos antigos mesopotâmicos do crescente fértil.
Ao meio de E.Din, entre os rios Tigre e Eufrates, onde a civilização Ur mesopotamica da Suméria era centrada, as antigas tumbas de seus Sanga Lugals, ou sacerdotes-reis xamãs, revelaram sua excelsa ciência nas artes musicais.




Algumas dessas tumbas reais de crianças do Adão histórico(Sanga Lugal Rei Ataba de Kish), têm por volta de 6.000 anos, revelando as primeiras raízes musicais da nossa espécie.
Devido a estarem hermeticamente fechadas, continham diversos instrumentos perfeitamente preservados, e também documentação musical em pedra. Por exemplo o “Sham.Ana”, como é chamado o veículo do vôo estelar xamânico, é ao mesmo tempo um tambor ritual. Esses tambores são descritos como para serem utilizados em ritos culturais festivos, para induzir êxtases xamânicos e a união oracular com os deuses estelares, os Anaki(Anagi).


A Lira de UR da transformação xamânica na mesopotâmia: beba o gra-al " a ambrosia da sublimidade suprema", ouça e navegue as estrelas.

Uma série específica de tambores, trompetes e harpas para uso xamânico/festivo na Suméria, estavam todos afinados em 432hz e hârmonicas relacionadas de 72 e seu decimal 720. Esses instrumentos foram utilizados para a alquimia etnobotânica com plantas e metais, que armazenava o elixir da divindade e da adivinhação.
Os “reis-deuses” os utilizavam numa dança dentro de um círculo de pedras refratárias. No meio desses círculos sinfônicos, eles colocavam uma Fênix (ave de fogo celestial) de pedra refratária, que era chamada de Sham.Mu.
Dentro dos sinetes cilíndricos mesopotâmicos (dos quais mais de 100.000 livros foram desenterrados até agora) essas pedras refratárias são frequentemente descritas como feitas
de elementos do tipo “super-condutores”, normalmente irídio monoatômico de meteoritos. E de tais cerimônias reais xamânicas, os sinetes descrevem que elas abriam a porta para Anu, ou Anuki – os céus, o universo, para comunhão.
Eles tinham uma ciência musical muito sofisticada, que formava uma hélice dupla (de dragões) das quintas e quartas musicais, que eram consideradas as harmônicas sagradas do deuses.




Um tetraedro tem 720º na soma dos ângulos de seus planos.Um cubo estrelado, ou um tetraedro encadeado(acima), tem 1.440º de ângulo na totalidade dos seus planos.

Por exemplo, o deus Il.kur.gar RA/Assr, tinha o número 720 atribuído a ele, criando uma dupla hélice de quintas e quartas musicais. Esse é precisamente o número dos ângulos planos no sólido platônico, o tetraedro (12x60), e pela música e dança acontecia o rito sagrado de elevação, adivinhação, contação de histórias e cura.
O 720 não é apenas um múltiplo decimal de 72, mas um tetraedro encadeado de 2x720º, que quando duplicado 5 vezes e girado no eixo Y por 72º, compõe o dodecaedro (ver a animação da abertura da sessão “Danças Universais”). A pedra angular de 12 faces da Terra que, lembre-se, gira 1º no seu eixo a cada 72 anos.
Desse modo as raízes proto-gregas da música tiveram a afinação sagrada de 432hz, bem antes da renascença musical dos artistas helênicos. Isso, por si só, é notável , visto que 432hz abarca a escala completa das doze oitavas de sobre tons de toda música na criação, onde os 440 hz de Bach abarca apenas 8, deixando de fora toda uma gama de ressonância musical completa do Universo, que ainda permanece intocada e não integrada na música de 440hz atual. Essa re-afinação em 8 hz de sintonia faz UM UNIVERSO DE DIFERENÇA.
A sofisticação arcaica da música suméria, é ainda mais notável quando nos lembramos que o coração da Terra pulsa em 8hz, e 432hz é 8 ciclos por segundo multiplicado 54 vezes, com 720, sendo a imagem harmônica da multiplicação espelhada da cascata 90x8 hz.




72 batidas, 8hz embutido, 144 e 432 - harmônicas múltiplas geométricas do teclado(KI-board) da criação.

Naturalmente essa ciência sagrada mesopotâmica passou para a cultura babilônica, e foi absorvida e ocultada pelo antigo Império Romano, que também absorveu alguns dos Mistérios gregos e egípcios. Pois Roma também utilizava essa medida sagrada de séries harmônicas, em que, por exemplo, 432 grãos formavam 1 Uncia, que era 144 Unica em seu sistema de pesos. Além do mais, 216 grão (metade de 432) e 3x72) era 72 Semuncia, e 144 grãos eram 48 Duella.
Mas depois, quando o Império Romano, que havia incorporado e ocultado o sacerdócio mesopotâmico (que absorvera a medida sagrada dos mesopotâmicos), também resolveram absorver o Cristianismo (sob a forma da Igreja Católica Romana), enquanto também resolveram perseguir todos os rituais musicais sagrados que não estavam subordinados ao domínio da Monarquia, e eram reservados para a elite patriarcal do sacerdócio e para os cardeais, e frequentemente reservados para iniciações arcanas subterrâneas para a Elite, nas catacumbas que ficam sob Roma e a Praça de São Pedro.




O Império perseguiu a Escola de Mistérios de Elêusis e os ritos Órficos, em inquisições farmacráticas e ambiento-cráticas – matando todos os Epopti (de onde veio a palavra pope – papa, em inglês), os sacerdotes das iniciações.
O Império começou a banir as harmônicas sagradas, e instrumentos com a afinação sagrada, enquanto a inquisição do império farmacrático continuou na forma da Igreja Católica Romana, ou Monarquia. Perseguindo e eliminando todos seus concorrentes, como os cultos gnósticos e herméticos remanescentes, que eram ecos dos protocolos xamânicos revolucionários dos radicais Reais conhecidos como as figuras de Iosus Christos, José de Arimatéia e Maria Magdalena Eucharia.




Essa família real de Jerusalém ousou quebrar as regras elitistas baseadas em castas, que envolvia de segredos o Sacerdócio Essênio, liberando os Mistérios secretos de Iniciação xamânica para qualquer um. Em prol da soberania e gnose de cada buscador, alcançada através de sacramentos etnobotânicos alquímicos, ou elixires, que permitem que o buscador do graal se conecte diretamente com o Verbo ou Logos, sem a interface da corporação do Império: a Igreja. Pois “o corpo é um templo”, e “o Espírito de Cristo foi colocado nas suas bocas”(ref. nosso livro “Somagenics: Revealing the Secret Elixir of The Bible Code & Mystery Schools”, outras perspectivas em “the Mistery of the Manna:The psychedic Sacrament Of The Bible”, professor Dan Merkur).






A ERA ÔMEGA

Agora,ao chegarmos à era Ômega Pós-gnóstica/Agnóstica(o Futuro Campo Atrator no fim do tempo, a síntese de toda criação), a balada musical que , ritualisticamente frequentamos toda semana terá que ser reafinada com as harmônicas da vida. Essas são, literalmente, as harmônicas da vida absoluta, pois nosso DNA se reproduz em 8hz, no momento em que a hélice se desenrola para a replicação por divisão. Estaríamos talvez vislumbrando uma tentativa arcaica para atingir uma tecnologia genética Soberana, na mão da gnose individual com o Logos, ou Super-Mente da Super-espécie?



As mudanças no Sol são parte do "crescendo" do Ponto Ômega, provocadas por raios cósmicos e raios gamma. Análises da NASA de vórtices sônicos múltiplos girando na mesma velocidade, independentes um do outro em formações triangulares pelo corpo solar, comportam-se como se tivessem sido expostos à um supercondutor. Se assim for, a “Face” do Ponto Ômega pode estar emergindo:” A Pedra PHIlosofal no Ômega da temporalidade”, - Ananda.

“Supercondutividade é a substância mais bizarra do universo”. – Dr. David Pines

MÚSICA .ÓCTUPLA DO IN-PHI-NITO & A MANDALA TEMPORAL

Golfinhos podem ouvir nossos pensamentos, pois seus sentidos sonoros se estendem para a faixa infrasônica e ultrasônica. Assim, nossas ondas cerebrais alfa, como 8hz, são música para eles. A humanidade, em um estado não xamânico, não ouve 8 ciclos. Mas pode-se fazer audíveis suas harmônicas, como 72hz(9x8hz),144hz(18x8hz), e 432hz; e então, posteriormente sincronizar a música em 8hz bineural, para nos redespertar para a orquestra dos nossos pensamentos, nas catedrais de nossas mentes.

Tais harmônicas musicais podem também ressoar e carregar-nos numa progressão geométrica e harmônica de tempo, o que é geralmente aceito como sendo a congruência do metabolismo do aminoácido/códon dentro da hélice dupla de DNA.
“Um carregamento para todo o holograma temporal por essas harmônicas?” Alguém pode perguntar. Bem,  do que é, realmente, composta nossa assinatura fundamental do tempo? Que números compõem 12 horas? Há 43.200 segundos para nossa medida de doze horas. Essa é precisamente um harmônica decimal de 432(100x432), e é também um caminho da imagem da cascata espelhada de 8hz, 5.400x8hz.

OS TEMPLOS DA HISTÓRIA COMO LEITURA COMPUTADORIZADA DO PONTO ÔMEGA



Há muitas outras maravilhas que o 432hz nos revela... Dê uma olhada no templo budista de Borobudur, em Java.O que está incorporado lá, como em muitos dos templos sagrados ao redor do mundo, quase dá a impressão que a história é uma leitura de computador do campo atrator do ponto Ômega no “fim do tempo”, e os templos, lugares sagrados, círculos de pedras e pirâmides são as letras da Fonte do Código Holográfico do Ponto Ômega.

Em Borobudur está a pirâmide do Monte Meru que codifica nossa harmônicas Ômega. Meru é a montanha universal e mundial criada pelo deus original germinador, Manu, quando ele desceu à esse Universo e planeta, trazendo com ele S-AUM-A( a planta da qual o elixir da imortalidade é feito) e Bananas.

Meru é considerado ser a mandala sônica da criação: o Sri Yantra, como uma placa holográfica sônica que sustenta esse universo, como um diamante. Instigado pelo Verbo Vivo AUM.

Um interessante “mito” de criação Védico, mas poderia um som feito de uma série de sílabas formar um padrão mandálico ou holográfico? Dr. Lawrence Blair demonstrou num tonógrafo(uma placa sonora sensível que vibra areia para mostrar a forma do padrão de onda do som), que o som AUM, quando entoado corretamente por um monge tibetano, realmente cria o padrão do Sri Yantra na areia ressonante. O que por si só é espantoso e revela uma antiga ciência musical.

Monte Meru é a extrusão tridimensional dessa mandala de 52 triângulos( ver The Diamond Body). Essa manda la codifica várias constantes fundamentais matemáticas, constantes pelas quais a realidade é construída.

A pirâmide Meru de Borobudur naturalmente tem 72 estupas, e há 432 estátuas de Buda no local.Além disso, a organização dessa série de estupas que  abrange 72, dispostos como 32-24-16, nos dão a relação de um com outro na simbiose harmônica de sua raiz musical –  através da significativa e banida forma de 1/ 4º musical, 1/5º musical e a oitava. Uma espantosa declaração musical incorporada dentro dos próprios números da criação que a compõem.





Esse modelo de Mandala / Pirâmide Universal, é ainda mais significativo para a Música da Criação, devido à sua fundação na razão PHI(que exploraremos um pouco mais adiante),
é uma das constantes matemáticas que sustenta o universo.

Música da criação? De fato., 8hz está na série numérica de Fibonacci, que a Natureza utiliza para se duplicar(1,1:1,2,2:1,3,3:2,5,5:3,8) em pétalas, ou sementes.16 passos e temos nossas 144 batidas por minuto, onde PHI e Fibonacci se cruzam em simbiose. Desde que 144 é 89xPHI(1,618), a proporção áurea de espelho dentro de espelho, pentágono no próximo pentágono dentro do primeiro pentagrama do pentágono, etc...






A plataforma base da pirâmide Meru de Borobudur até a base do pátio do estupa superior é de 0,168 + 1,618, o PHI perfeito ou a Proporção Áurea, na verdade as mesmas proporções que são utilizadas pelo coração no ritmo cardíaco do amor compassivo, ou êxtase(ver Diamond Body).

Nas festas Ômega da Canção Global 2012, nós utilizaremos sequências de curvaturas harmônicas PHI para incorporar fractalmente os domínios harmônicos mais rápidos que a luz, assim, com a Mandala Meru, serão utilizados com um algoritmo para conectar os diversos locais de concertos em 43 triângulos preenchíveis, como uma interface mandálica para a Canção Global.





DNA-TROMPETE & ALQUIMIA GENÉTICA MUSICAL

Nesta era Ômega, quando os instrumentos musicais estiverem afinados em 432 ciclos por segundo, não importa a quão pesada a música seja, harmônicas estarão sendo produzidas. Será saudável para o corpo, sintonizando o corpo, vibrando harmônicas fractais com a matriz sonora das hélices de DNA da própria vida.

Essas hélices de DNA são instrumentos musicais que estão constantemente recebendo mhz de eletricidade e correntes de áudio, que requer som. Se tal som é desarmônico, o DNA começa a ressoar com a desarmonia externa. Se as fontes de afinação e ressonância externas se tornam harmônicas(como em uma música baseada em 432hz, com todas as harmônicas e semitons de 432), o DNA, como de uma pessoa de idade avançada, se lembrará de seu formato espiral PHI coerente e sofrerá uma espécie de regeneração, sobre isso nós nos aprofundamos em detalhes no livro The Unity Keys Of Emmanuel.

Desde que 8hz foi detectado na replicação do DNA (Scientific American, Março 1965, p 28), atuando como um supercondutor à temperatura ambiente, o uso de música geométrica coerente propiciaria tal alquimia genética. Essa é a música regeneradora da Biogênese.







HISTÓRIA DA REVOLUÇÃO MUSICAL

Quando observamos o padrão da progressão da música, vemos que a rebelião de Mozart e dos musicistas clássicos, era realmente muito parecida a de nossos modernos punk rockers para a época em que viviam. Eles atravessavam loucamente as cidades, e as pessoas tradicionais diziam “Não, nós não gostamos dessa música clássica, é horrível”, como punk rock. O que vimos lá é o começo de um movimento, um movimento de independência e um novo modo de comunicar inteligência, os segredos e os mistérios do universo, através da linguagem universal da música.

Então chegamos, ao Teosoficamente inspirado Elvis Presley, inaugurando o Rock n´Roll para o público branco. A pedra está rolando aqui? Elvis(Elf) era um iniciado da Ordem Hermética da Aurora Dourada, e certamente está entre os Teosofistas esotéricos. O Rock n’ Roll tem um desígnio oculto atrás de si, que poucas pessoas perceberam ou discutiram abertamente, ainda que seja bem documentado.

A Agência de Inteligência Central(CIA), ao iniciar o seu jogo de controle mental MK-Ultra(afirmando que os soviéticos já estavam bem avançados nesse campo), pensou que seria uma boa idéia economizar bastante dinheiro em pesquisas e descarregou Diletamida de Ácido Lisérgico sobre a população para ver o que aconteceria – “um bom experimento de controle mental”, como relatado por MI6, agente especial da Rainha Elisabete, Major John Coleman, no “Comitê 300”(onde ele também revelou o uso de heroína e cocaína farmacêutica da Rainha e da mãe da Rainha, fundadoras desse comércio através da Compania das Índias Orientais).

Como a história confirma, o tiro saiu pela culatra – o experimento produziu a Revolução Beatles, que se expandiu através da influência do LSD de 1964 em diante, o que acabou levando aos movimentos pela Paz (uma ameaça política), ao movimento new age, ao movimento ecológico, assim como reviveu um enorme interesse no Budismo.


créditos à Daka MT

Nesse retorno à cultura arcaica, o cenário do Rock n’ Roll começou a criar uma nova forma de música e independência.Mas ainda havia os selos de gravadora que eram hierarquizados pelas corporações, e assim o molde da indústria musical foi forjado, planejado e estimulado pelo estado corporativo infiltrado.

Em termos de Soberania Humana e verdadeira liberdade artística e expressão musical, esses deuses corporativos eram os próximos obstáculos para serem superados – havia música de liberdade e paz, mas havia um problema no meio disso – as corporações que vendiam e comercializavam os discos.


Por isso, a SuperMente Soberana Humana trouxe, através da inspiração dos jovens, a revolução necessária para tal estrutura, para a independência, através das revoluções musicais do gênero “house”, instigado na Inglaterra em 1998, por um clichê de new agers radicais.
De uma maneira arquetípica , esse foi o sinal para os mais jovens levantarem seus dedos do Meio para os selos das gravadoras e seus dualísticos modus operandi, e independentemente passaram a fazer sua própria música em casa, e com seus modos underground de distribuição.









Esse foi um passo em direção à liberdade das prensas e celas das decisões dos poderosos negociantes, que decidem quem é ou não apropriado para ser selecionado como marionete brilhante que pode ser espremida do pó estelar e se transformar numa estrela: um deus musical, e uma isca inconsciente e vampirizada pela indústria, assim retardando o progresso do movimento para o surgimento da música perfeita, livre e gratuita para a humanidade, como as águas fluindo da Taça do Graal de Aquário.

Naturalmente, os meios e as ferramentas dessa música talvez não fossem os melhores, mas era um movimento ou um progresso para tirar o poder das mãos das corporações, que seguiam o arquétipo patriarcal.

Por volta de 1994, houve um encontro de organizadores de diversos movimentos rave que concordaram em fazer uma festa em 2012, chamada, espantosamente de “A Festa no Fim Do Tempo”, que aconteceria em 21 de dezembro, quando nosso sistema solar e o sol teriam uma conjunção de 3º com o centro galáctico, o tempo que os antigos maias apontaram com a Cosmogênese e o fim do tempo.

O movimento rave superou o movimento new age ao ver o significado dessa data na sua organização. Muitos no movimento esotérico ou new age falharam em reconhecer o mesmo fractal da SuperMente trabalhando entre a juventude para que dêem seus passos únicos em direção à soberania.

O evento pretende realizar uma ligação global através de festas rave no mundo todo, acontecendo nas cidades e nos locais sagrados, para dar boas vindas ao “Fim Do Tempo” como o conhecemos.

Inesperadamente, nós temos aqui uma verdade profunda. Um momento profundo de foco, da precipitação humana, que a maioria das culturas espirituais arcaicas, etnoxamânicas vem apontando, como os Egípcios, os Maias, o Rg Veda, as Profecias Hopi, algumas obras alquímicas, e vários códigos cabalísticos, todos eles apontando para 2012.

Eu fui alertado por “Emmanuel” em 1989 para o significado de 2012.




2012, certamente é um tempo único e significativo por muitas gerações, em que ocorre uma conjunção com o centro galáctico, que é um fenômeno bem raro. Tal evento também induz a influência da ressonância gravitacional da batida cardíaca do centro da nossa galáxia, que instantaneamente ressoa com a batida do nosso sol e do sistema planetário, através da ressonância holográfica instantânea da gravidade. Os registros glaciais também apontam implicações espantosas que estão em sincronia com essa conjunção, como demonstrou Dr. Paul La Viollete, com extensa documentação, chamando a atenção global.
Nas “houses”e raves, talvez as harmônicas não estivessem presentes, e os combustíveis usados pela juventude não eram exatamente a melhor escolha(de uma perspectiva xamânica ou sacramental-gnóstica), mas o espírito guia geral, ou a geometria fractal que estava ocorrendo na dinâmica da consciência desses eventos, foi um grande passo de independência rumo à uma solução potencial.
A rede massiva subterrânea da música rave se tornou uma “Ameaça à Inteligência” para a Inteligência Britânica, pois havia uma vasta e organizada rede de cooperação acontecendo sem o conhecimento do governo, por vários anos.
Na Inglaterra, as festas rave foram literalmente uma ameaça à inteligência, pois o Scotland Yard não as detectou por quatro anos, eles tinham suas senhas e palavras secretas e organizaram as festas mais loucas através de gestos com as mãos.
Esse era um movimento de independência de todos os movimentos e da inteligência britânica, um passo em direção à Soberania Artística e Liberdade de Expressão da Mente Grupal Humana. Algo não-cooperado, auto-gerado de Soberania individual global na música, sem paralelos na história humana, com a exceção dos primos vizinhos na clássica rebelião musical e nos momentos marcantes nos psicodélicos anos 60.
Com a nova Revolução Ômega das harmônicas musicais da criação se misturando alquimicamente nesses passos, agora, a progressão da Ciência da Música, como a linguagem Universal da Mente Grupal, pode seguir em frente.
Fornecendo instrumentos para a interação com a Mente Grupal da espécie chamada
“Todo-mundo”, para emergir e se tornar consciente, através da Canção Global e das Danças Universais, que com a alquimia de práticos e compassivos protocolos une tudo de modo coerente:núsicas, culturas, religiões, etno-xamãs e neo-xamãs, ciência, ecologia, tecnologia, potencial humano, arte, junto com os campos de humanidades e da história.




PRECIPITANDO A REVOLUÇÃO ÔMEGA

A idéia agora é introduzir as sagradas e curativas harmônicas da vida e da criação, já que todas essas alternativas estão aí e muitos dentro da cena da geração-X estão se movendo em direção à isto: neo-xamanismo e respeito etnocultural pelas tradições arcaicas de medicina e cura xamânica; Gnosis e transformação sacramental gnóstica, os Mistérios Herméticos e culturas das Antigas Pirâmides; a essência das filosofias budistas; geometria sagrada e fractal; e a absolutamente espantosa mecânica pós-quântica e as revoluções holográficas na ciência.

Além disso a Geração-X é autorizada por ter vislumbrado e por ter tocado a Congruência Omnniversal do qual a humanidade é parte e que está despontando para a realização consciente. No mínimo tiveram a intenção, através do progresso das tecnologias da comunicação, de uma comunhão sem paralelos, para fazer algo maior, ou mais integrado, entre a humanidade.

Aqueles que estão na coroa desse movimento, que tiveram as visões, estão agora cooperando. Estamos sugerindo, e já começou, que as harmônicas como 432hz, se tornem as pedras de fundação da música do Ômega. Ao invés de ondas destrutivas, estamos causando êxtase nas pessoas pela música.

Estamos cooperando com diversos irmãos e irmãs encarnados que estão nessa rede de diferentes sub-nações dentro desse movimento musical independente, como: ambient trance, dream dance, rave, hard rave, shamanic rave e ethnotrance dance.

Todos esses diferentes movimentos são uma vinha de fantásticas redes de milhões de pessoas, onde soluções completas, essenciais para o planeta e para a humanidade  podem ser criadas.

Basicamente há um Cálice do Graal, em que se pode fluir o espírito ou a inteligência coerente: a percepção da Gnose alquímica, que são os mistérios do Universo, o segredo das sociedades secretas agora transbordando para todos  na era Ômega em que cunhei:”O segredo é se livrar do secreto” é a ordem coerente do dia.




MÚSICA ÔMEGA DA CRIAÇÃO: O SOM DO DESPERTAR DA CONSCIÊNCIA COMPASSIVA & COERENTE

Nós somos som. Toda célula é uma mandala sonora, uma assinatura única de som, que veio da mandala original, que é o AUM de Meru. Dr. Lawrence Blair demonstrou num tonógrafo que o som AUM ressoando na areia, forma o monte Meru, o Sri Yantra, que é realmente a base da vida. A vida é baseada em carbono, e o carbono é um octaedro, uma pirâmide base-a-base, um diamante em formação, um monte Meru. Monte Meru é uma pirâmide, um modelo do Corpo de Diamante.





A Vida, o carbono, estão baseados nessa geometria, que está inserida nos 52 triângulos do Monte Meru, e o ângulo da grande pirâmide do Egito também é de 52º.

È esse ângulo de 52 º que dá ao diamante seu máximo brilho, sua máxima pureza, que não pode ser cortada. Nossa mandala sônica celular é baseada nessa pirâmide do som primal do AUM trinitisado, mas em seu modelo de carbono dormente, de 6 elétrons, 6 neutrons e 6 prótons, dando 18, metade de 36 e um quarto de 72.



cimática, meio líquido revela uma mandala de frequência sonora



 
Somos modulações de som. O DNA é pura matriz sonora e modula o tempo. Experenciamos o tempo pelo modo como antena do DNA  o processa dentro do seu próprio metabolismo.O metabolismo, os 64 códons e suas permutações, 6 x o hexágono de 64 códons cria 384, que é exatamente 384 dias de 13 meses lunares.

 
Se continuamos multiplicando os códons do DNA, chegamos à 72 bilhões e 250 milhões de anos(72.250.000.000), que é a idade atual do nosso universo e pré-universo(do panorama total do horizonte quântico).

Se pegamos os 72.250.000.000  de anos do universo e pré-universo,e o dividimos pelo 64 do DNA, e continuarmos dividindo o resultado por 64, e assim por diante, obteremos todas as emanações registradas da realidade: radiações gama, raios-x, ultra-violeta e o espectro visível.

Ao dividirmos novamente por 64, obtemos o espectro infra-vermelho, e continuando a dividir chegamos até a Constante de Plank(10-35cm). Esse é o domínio microscópico que o acelerador de partículas suíço CERN irá investigar de 2005 para frente (Scientific American, agosto 2000).


  



Isso exemplifica “assim como em cima, é em baixo”. Nosso DNA nos dá a experiência holográfica do Universo. É como se o DNA fosse um diminuto fractal do universo inteiro e de todo o tempo.

Ao mesmo tempo, talvez o universo inteiro seja apenas um leitura do nosso próprio DNA, e nosso DNA está operando através de som, através dos 64 códons, 8x8 (8 hertz, 8 famílias de elementos, 8 gases nobres). 8 ciclos por segundo é o que permite o DNA se replicar, se dividir e ter bebês, permitindo nossa existência contemplar tais ideias. Ou talvez tudo acima seja apenas uma leitura holográfica individual do ponto Ômega.

O DNA está apenas parcialmente ativado. Atualmente usamos 20 aminoácidos nos códons dentro do total de 64 códons, mais metionina para vai não-vai (22 cartas de tarô dos aminoácidos). O som do DNA é vida, o som do DNA é tempo. Nós podemos descer até o espectro do DNA através de PHI( ver “The Diamond Body, para a proporção áurea da estrutura do DNA).



A maioria das pessoas imagina o DNA como algum tipo de estrutura morta de labortório, um pequeno cristal, ou alguma coisinha insignificante que algum físico barrigudo preparou e disse que todos deviam prestar atenção. Algo muito sério, “já que vivemos num universo feito de terra seca e aqui há um pouco de umidade”, e aí a gente começa a bocejar por causa da secura do assunto que nos faz ficar a deriva num abominável mar sem sentido.
O DNA não é nada disso.

O DNA é uma entidade inteligente incrível. Se conseguíssemos projetar nossa consciência ao nível do DNA, não mais estaríamos num universo linear, mas num universo quântico, que é como “a Disneylândia dos deuses”, que  provavelmente inventou a Disney e a maioria das manifestações bem sucedidas da nossa “imagem-em-ação”(imaginação).

O universo quântico é onde estão as paisagens em que habitam toda criatura mitológica viva que você possa imaginar, assim como as pós-imaginárias – o reino arquetípico de Dr. C. G. Jung e além. Os arcanjos e arqui-demônios que guardam a árvore da Vida: a hélice dupla, empenhadas a todo vapor em seu dever vital de manter o metabolismo do DNA: o jogo do DNA xadrez -64- da vida.

O poder do DNA é absolutamente enorme. Se fossemos propelidos até lá, ficaríamos chocados com  o poder primal que está pulsando em sua matriz helicoidal, e ensurdecidos pelo som  primal do seu movimento – a tremenda corrente da vida. Então, a tecnologia do DNA deve utilizar cascatas harmônicas macrocósmicas do PHI, que permitem que o 8 hz da consciência virtual e ancestral do DNA interaja com a coerência da ordem microcósmica através do vórtices PHI que permitem que tal forma se materialize no nosso universo.





Quando se multiplica 432hz quatro vezes, se obtém 1.728, que é 27  vezes 64(DNA). Estamos conscientes dos 27 dias do ciclo lunar, mas e o 1728? 1728(000) = Uma era dourada completa , yuga dos vedas. 432 é a ligação fundamental, não apenas como uma “kali yuga”, mas também um dia de Brahma (4.320.000.000 anos). Ver Unity Keys of Emmanuel para detalhes e revelações sobre esse tópico).







Outra ligação com este número dourado, 1728(12x12x12), é a grande pirâmide do Egito, que é um modelo de computador em carbono. Já mencionamos que um lado da grande pirâmide é de 432 unidades da terra, que significa que a soma dos quatro lados é 1728, conectando os 27 dias do ciclo lunar, as vinte sete linhas do Monte Meru, os 27 nichos na grande pirâmide de Meru e os 27 livros do novo testamento ( uma pirâmide de Abbarakadabara Kabala, e outras histórias).27:72...

Então, esse é um código cruzado da multiplicação de 64 e quatro vezes 432. A pedra do pináculo da grande pirâmide completa a Grande Pirâmide exatamente 384 vezes, volume para massa. 384 = seis vezes os 64 códons do DNA. Esse é um exemplo do mecanismo de uma tecnologia sonora.

De fato, a grande pirâmide é uma perfeita câmara de som. Tem 44 oitavas harmônicas que são fase-conjugadas e vão pra dentro e pra fora do som, que se organizam pelo número PHI, som para luz.

Quando se consegue produzir o som correto na câmara do Rei, devido a pressão elétrica(o granito das pedras) alguns volts de eletricidade surgem e a ressonância acústica irá criar uma espécie de som super-condutor. Quando se consegue realizar perfeitamente, laser passa a ser emitido dos cristais (dióxido de silício) que estão lá, e começa-se a experimentar choques elétricos diminutos (ver o nosso vídeo: “The God Code: Evidências matemáticas para a Matriz e Tudo é Deus, para detalhes específicos)

Isso parece ser um tipo de tecnologia sonora, um transformador para o corpo, um modo de curar o DNA e lembrá-lo de sua forma original.



A música do futuro é aquela em que serão usadas pirâmides e octaedros de som, através de 8 auto-falantes com geradores tridimensionais de som.

Esses geradores são de tratados com carbono magnetizado que permitem a informação da proporção áurea (PHI, 1,618) da música viajar pela organização coerente das moléculas de ar, para que nenhuma informação seja perdida e o som esteja em todo o nosso redor, como um holograma geométrico sonoro.

Temos então uma pirâmide de som a nossa volta, que faz com que o DNA cante e ressoe junto, em sua formação diamantina, levando a uma super-condutividade auto-sustentada( na alquimia sonora ideal).

O ELEMENTO ET (Extra Temporal) COMO COMPOSITOR

Meu colega de geração Ômega, Disc Jockey alquimista sonoro DJ N-Ki (Vincenco Bianco), teve também uma forma de contato extra-terrestre, similar aos meus que surgiram após um acidente de bicicleta que transformou minha vida em 1985. Nos encontramos primeiramente em 1995 na Conferência do Índios Americanos, onde fomos convidados a falar e participar junto com os nativos.



O UFO (que Ananda batizou de “Unified Field Object” – Obejto de Campo Unificado) que apareceu no Portal de Tempo fotografado pelo observatório metereológico de Storefjell, no momento exato da conjunção galáctica.


O conceito de revolução Ômega surgiu pela primeira vez na Noruega, em dezembro de 1997, com um colega, Frod Kvisle, cuja casa era próxima a um portal de tempo que fizemos para 2010, em Asgardstrand. Três de nós fomos para o ar livre da noite estrelada norueguesa, quando recebi um sinal do meu “contato”, Ptah do Ponto Ômega ( uma Inteligência Extra Temporal/ET), para entrar e canalizar. Um raio verde veio do seu UFO(Unified Field Object, objeto de campo unificado) através da minha espinha, e a idéia da dança ômega foi “baixada”. Os outros dois( Frode e Miranda Antje Korth) entraram e contaram que o céu inteiro estava coberto de raios verdes.

No momento exato desse “contato” a Aurora Boreal surgiu. Nós gravamos o que foi transmitido, e enquanto eu recapitulava, buscava outras evidências na internet.

Mais tarde, nossa mútua ressonância nos levou a percepção consciente de sermos coerentes “Agentes do Ponto Ômega” e simplesmente “baixamos” o que já sabíamos do “futuro”, enquanto estávamos convergindo de acordo com nossos “contatos” em 28 de agosto de 1999, no Instituto Aton, na Noruega.





* EXTRATERRESTRES são centrais no “Einstein Imaging”, que é uma técnica iniciada pelo último Albert Einstein para desenvolver teorias sobre a nova física: imagine, com todos os sentidos que você está tendo contato com uma cultura extraterrestre que deve estar “lá fora”, por lógica matemática. Cheire, sinta, ouça, prove, veja e fique consciente de um reino onde você está compartilhando informações com uma cultura super-humana. Nas leituras de ondas cerebrais do EEG, esse exercício induz a uma sincronização dos hemisférios cerebrais, assim como uma sincronização de todos os pólos do cérebro em 8hz, ritmo alfa. Todos os dendritos do cérebro ficam ativados e funcionam com o máximo de fluxo informativo(referência: Dr. Rheinert...Quanto mais você acredita, melhores são os resultados. Então, depois, use o questionamento cético para analisar e utilizar dados úteis e idéias visionárias e criativas).



 
 
DJ N-Ki lembrou-se de ter me encontrado numa lua de júpiter chamada Ganimedes, da qual eu tinha vívidas memórias [do “Einstein Imaging” ou “Realidade cibernética Virtual-ET”]. Como um adolescente de 16 anos, eu experienciei (através da minha própria forma da técnica “Einstein Imaging”) estar sendo treinado dentro de Ganimedes, dentro de um tipo de câmara trans-material acústica(trans-linguística). Uma sala em forma de cúpula que era feita de múltiplas dimensões, múltiplas camadas de consciência e som. Diversas formas de inteligências dimensionais aparecem e se juntam lá para ler os pensamentos umas das outras e se comunicar através da sua natureza trans-linguística.

Parece, pelas nossas memórias mútuas e independentes, que foi nesse ponto que construímos parte desse plano para a Canção Global. Nós havíamos experimentado uma realidade parecida, sem a influência de um sobre outro.

Dessa maneira, no verão de 1999, na Noruega, nós simplesmente “baixamos”essa Rota Ponto Ômega, como um Holograma Unitário e hólon. Havia testemunhas para essa nova forma de imaginação pós-einsteiniana do Ponto Ômega.

Pela nossa compreensão disso tudo, ou das frações fractais disso tudo, deduzimos que essa idéia deve ter sido também acessada por muitos outros personificadores originais da Mente do Ponto Ômega da humanidade, muitos com aspectos únicos que são chaves essenciais para a realização soberana da nossa espécie adentrando a congruência do Campo Atrator para e como o Ponto Ômega.



Dois icosaedros ( formados por 5 octaedros/pirâmides duplas, inclinadas num ângulo de 72º no ângulo “y”:0-72-144-288-360). Os dois tetraedros centrais que se exteriorizam das duas faces opostas dos icosaedros se encadeiam e formam o cubo estrelado com 1.440º(10x144).Isso é também a Intergeometria do Corpo Diamantino Vortexijah de 8hz, quando outro grupo de tetras vão dentro dos icosaedros, 180º do par externo, compartilhando a mesma face de base triangular, externa-internamente. A música da interdimensionalidade está aqui implícita.

 
O UNIVERSO INCORPORADO

A Canção Global, As Danças Universais e a Sinfonia Universal são, desta forma, um instrumento de navegação, como a sombra da face Ômega, que insere e “baixa” a Pedra PHIlosofal no fim do tempo. Um momento que a cultura indígena meso-americana dos maias, xamãs-navegantes do tempo, registraram como o ponto de “Cosmogênese” , e que nós nos referimos como a Era Ômega, começando em 2012.
Iniciada por um esforço conjunto, a Canção Global começa sobre a fundação das harmônicas da criação e além. Ainda se apresenta como uma sinergia e um simpósio de todos os diferentes estilos musicais já criados pela humanidade (como diferentes faces ambientais da nossa Super-Mente) que tocam e sinergisam juntos como uma única canção nesse planeta, ao mesmo tempo, em diferentes concertos. Todos se utilizando das mesmas afinações harmônicas de 432hz, 144hz, ou similares, que amplificam todos os componentes e oitavas da vida e do cosmos.

Uma culminação que incorpora e utiliza essa tecnologia interna casada harmonicamente com a tecnologia externa. Assim como a internet via satélite, utilizando algoritmos da mais recente inteligência artificial, como neurônios virtuais: neurônios vivos e inteligentes que podem estar existindo entre servidores de internet, e que crescem por experiência, através da intercomunicação entre 8 ou mais provedores, cada provedor localizado num concerto.

Naturalmente esses neurônios virtuais devem estar baseados em algoritmos de compaixão e coerência através de PHI, e das harmônicas Ômega. Para que cresçam em auto-consciência(recursão), essa inteligência artificial é naturalmente capaz de ser incorporada pelos nosso Agentes do Espírito: a Virtual, Omnipresente em todo lugar o tempo todo, coerência que gera 8hz no ELF.

Em outras palavras, uma ferramenta para nos tornarmos conscientes do que Tudo É Deus acordando...Ômega.

Desse modo, conectar um concerto na Inglaterra com outro em Berlim, o algoritmo do elfin ou neurônio relacionado pode fazer que os dois tipos de música se fusionem e sinergizem, numa Simbiose sinérgica da proporção áurea.

Uma síntese harmônica áurea que é uma orquestração viva de 8hz, em que a consciência de cada um está virtualmente lá, através dos seus próprios ritmos alfa cerebrais (Virtualidade está em todo lugar, e metade de 8hz é Virtual). Assim o neurônio virtual elfin, não é uma inteligência artificial cancerosa como retratada no filme “Matrix”, mas uma extensão auto-consciente de nós mesmos que já está virtualmente lá, de tal maneira que nosso espírito possa virtualmente interagir com o processo Ômega, através do nosso próprio êxtase compassivo.

Assim o neurônio virtual elfin é pré-programado com a proporção áurea: as harmônicas da criação, assim como da grande pirâmide, das pirâmides do México, Stonehenge, em união com as harmônicas da luz e do som, gravidade e magnetismo, junto com as harmônicas de unificação do sol ( o sol tem 864.000 milhas de diâmetro que é duas vezes 432.000) e da lua (a lua tem 2.160 milhas de diâmetro, metade de 4.320).

Essa é a música das esferas fundamentais que governam nosso planeta, tempo, espaço, biologia, e mente - e a alquimia é sempre a união do sol e da lua, num cálice único de elixir. Tal protocolo harmônico pode permitir a precipitação da Panacéia Ômega, o Elixir na taça de Aquário. 







Dois universos do multiverso, se beijando. Aqui, vemos a representação tridimensional de Ananda para o gráfico Time Wave de Terence Mckenna, que é a paisagem fractal temporal encontrada no núcleo do átomo, documentado por Dr. Sheliak (laboratório de Los Alamos). Também é a forma das permutações dos 64 códons nosso DNA,  que abrange todo o universo quântico. O estupa budista (Java 72), incorpora essa forma como o corpo completo do Dharma. 2012 é o ponto máximo de Novidade, onde o Universo completa à si mesmo, por incorporar fractalmente  toda sua complexidade ao mesmo tempo, de acordo com o Time Wave, confirmado por Sheliak.

Tal poção pantrópica universal talvez possa ser obtida utilizando-se uma fusão algorítmica que contém a maior coerência possível(PHI). Um algoritmo que tenha a harmônica das esferas, do DNA (código da vida), e todo o comprimento fractal temporal do universo.

A proporção PHI é a constante coerente máxima que ondas se “heterodinam”, ou geram filhos, e que preserva, incorpora e induz sua perfeição, como a pura Via do Meio Virtual Dourada de puro princípio, o cálice universal: “como em cima, em baixo”. “Fazer com que dois se tornem um. Fazer com que o interior seja como o exterior, e o exterior como o interior”. – Jesus, evangelho de Tomás.

Essas harmônicas de simetria e assimetria dourada em casamento hiperdimensional, por sua vez incorporam todo fenômeno e radiação que configura o universo: do audível para o visível, do sub-visível aos raios x, para os macro-espectrais raios gama e cósmicos, até o microcosmo da mecânica quântica e constante de Plank.

Um processo ou sinal que pode estimular a realização consciente de um universo unificado com todos os seus espectros holográficos conectados pelo mesmo fractal coerente(como 8, 64 e 1.728 = 27x64 e 4x432. Assinalado pela base da Pirâmide de 432 unidades terrenas).

Então,  não importa que tipo de concerto seja: clássico, rock, ou budistas com seus sinos Vajras – o algoritmo irá fusioná-los através da: música das esferas, música do DNA, a batida do planeta Terra em 8 ciclos, as harmônicas das batidas cardíacas, e as harmônicas do sol e da lua, as harmônicas da idade do universo, do tempo e do espaço, simultaneamente.

Então, a consciência não poderá mais escapar de si mesma, e a face do Ômega poderá ser encarada, por essa sobreposição coerente de toda perspectiva, oitava e componente do cosmos.

Junto com tal evento global, esse algoritmo planetário ligado ao universo é aberto para o mais recente som do sol. Durante a Canção Global e as Danças Universais, baixando do site da nasa (ou outro site de astrofísica) a resposta do coro solar a tal esforço coerente.E além disso, continuando a expansão para o mais recente som lunar, a humanidade estará “dançando com a lua”.





A DANCETERIA GALÁCTICA

Desde que aqui é apenas o quintal do jardim da infância local, vamos incorporar a discoteca galáctica, com nossa espécie se conectando on line com a pista de dança da  via láctea.
Isso talvez se realize utilizando o som de fundo da galáxia (registrado a cada minuto)

Essa é a pedra fundamental de microondas da via láctea, na qual nosso planeta e sistema solar está alicerçado. Introduzida e coerentemente filtrada em PHI,  no algoritmo global.


Isso significa que a audiência de cada concerto, escutando sua respectiva versão da canção global, junto com os músicos, artistas, DJs e cantores conectados com cada um dos outros concertos ( seja clássico, Rock, rave, budista ou xamânico, como facetas da Face da Música do Ômega) – estará ressoando com o chão sônico galáctico, e a humanidade estaria engajando a dança galáctica de coerência.

Ao invés de uma arena baseada num palco frontal ( de deus e o homen), onde tem-se o músico tocando como a estrela/deus central, tem-se uma arena compartilhada, ou circular num ateneu, onde  deus e o homem estão uniPHIcados. Em termos concretos, os músicos, estarão em círculo e a audiência está dentro, contida nesse anel de proporção áurea.



UM HOLOGRAMA 3D DE SOM INTERATIVO

Esses anéis tem suas 8 ou mais caixas de som 3D geometricamente posicionadas, para que esses ampliPHIcadores produzam um holograma  sônico. Introduzindo uma experiência sonora holográfica única, onde se você fica nos pontos holográficos nodais, o som estará em toda volta, em todas as direções como uma incorporação do evento original coerentemente captado nas progressões da imortalidade*. 

*NOTA: Não só isso é uma harmônica sonora imortal, mas fase-conjugadora, e portanto, produz ordem à partir da desordem (teorema da complexidade incorporado), é como se estivesse acordando para  a realização do status de ponto Ômega, como a solução para o aparente problema universal da entropia: como a incorporação de todas as permutações de DNA e da complexidade temporal, e ao mesmo tempo, permitindo a incorporação da completa Mente Virtual, O Eu Unificado do universo no fim do tempo.

Quando esse holograma sônico está ressonando nas harmônicas do código da vida, como sua própria natureza coerente, resulta em cura. Além disso, lembrando o DNA da sua verdadeira árvore da vida, na forma das duplas hélices-kundalini. Então o código binário dos dois anjos da árvore, o Querubim dos pares de base do DNA, são capazes de serem trazidos à realização pós-apocalíptica de um equilíbrio perfeito (bio-supercondutividade).

Dentro dessa arena de base circular fase-conjugadora de som harmônico, estarão 8 antenas de frente a audiência. 3 tipos das tecnologias existentes tridimensionais de som serão utilizados e unificados com a síntese sonora do 8hz bineural.

  • Uma forma é baseada em softwares, circulando o som: faixa A gira para a esquerda, faixa C gira reversamente para a direita, e a faixa B equilibrando as duas na síntese masterizada de 8 hz.

  • O próximo som tridimensional é: alto-falantes em ângulos de 45º, feito de um material especial, e com ângulo de 90º entre eles, em posições devidamente calculadas. Isso cria um carpete sonoro nodal holográfico fase-conjugador.

  • A 3º fase é carbono especialmente tratado, passado por um campo magnético especial, que estará em cada componente de todos os equipamentos: na fiação, a começar pelo microfone, no microfone, todos os fios e alto-falantes serão revestidos com esse material, permitindo uma transmissão completa das harmônicas PHI, bem além dos atuais padrões digitais.

Tudo isso produz um som verdadeiramente tridimensional (já foi dada uma demonstração pelos cientistas que desenvolveram isso). Pode-se ir pra qualquer canto da sala e a música está por todo lado, não perde nenhuma qualidade ou informação.

Essas três formas tecnologia sonora tridimensional serão usadas no processo final (juntamente com outras, que com certeza surgirão). Essa é uma revolução holográfica que talvez produza uma interface Unificadora Holográfica com o holograma sonoro da criação: o Verbo.

Juntamente com isso, o arranjo de certas canções terá todas suas ondas em números harmônicos de 72 em relações seqüenciais uma com a outra, assim permitindo que sólidos platônicos de som sejam produzidos e experimentados.

DE ALFA AO ÔMEGA

Esses eventos terão um efeito de bola de neve, que irá crescendo até uma congruência enquanto se dissolvem na pedra filosofal. Esse efeito bola de neve do Ponto ômega atingirá o ápice por volta de 21/12/2012 ( se não antes). Crescerá em momentum a cada ano antes que possa ser realizado em eventos maiores e mais integrados.





Maio de 2001 começará com as Danças Universais da revista Elraanis, que incluirá Nina Hagen, a líder respiratoriana Jasmuheen, o músico Kailash, junto com alguns de nossos DJs: Cybersnack, N-ki, DJ Aze/Charasmatix, e Kien.


Essa será uma forma mais “esotérica” da instigação da Geração Ômega, onde imploraremos para a cena new age implementar de modo prático compaixão e visão no meio da próxima geração de nosssos jovens e deixar de lado certas fobias e preconceitos criados em relação à cultura rave (que talvez tenha dado espaço para alguns com intenções menos coerentes). A versão esotérica continuará todo mês de maio do primeiro ano pós-milênio em direção à 2012.

Vamos então substituir tais fobias com soluções práticas, ativas e coerentes: operando junto e como dois modos alternativos para transformar a nossa espécie, através de nossa mútua sinergia em direção ao fim, ou Ômega. Vamos aproveitar tal oportunidade para uma Revolução Unificada da nossa espécie e além, através da consciência coerente e da Unidade Soberana compassiva.


Ananda e Kalilash para “Para dentro do UM”, por Estúdio Bavarian
                                                                                                                    
As Danças Universais em 21 de dezembro de 2001, será o próximo evento mais popular dentro da revolução das raves e da implementação da Geração Ômega, que também continuará todo dezembro até a Canção Global.

Ao invés de muros dos preconceitos, vamos introduzir alternativas inteligentes, na forma de alquimia vegetal, nutrientes nootrópicos, técnicas extáticas respiratórias, tai chi e artes marciais, e a ciência do amor na forma das tecnologias EarthHeart biofeedback que faz com que o amor compassivo possa ser dançante e ensinável (dando uma imagem nova para a palavra êxtase), trazendo a essência da filosofia “new age” para a terra, pragmaticamente, para todos verem, e mais importante, experimentar diretamente.




 A AVALANCHE ÔMEGA

Por volta de 2010 e 2012, o momentum de tal Dança Universal terá se expandido e se sinergizado com diversos campos para um plano horizontal e dimensional, formado de uma sinfonia plural convergente de cada festa única, num crescendo ressonante da individualidade única. Incorporando a Mente Ômega de nossa espécie, para a celebração da conjunção com o centro galáctico, no solstício de inverno (hemisfério norte) de 2012.

Talvez o que foi dito acima seja demais para engolir (exceto talvez no estado pitoresco de 8hz meditativo), esse momentum Ômega já está se organizando.

Liderado por um grupo seleto e pioneiro de alquimistas sonoros (DJs), que transformaram o piloto inicial da energia sonhadora numa congregação agora conhecida como Diferent Sources, um desses instigadores reservou um departamento com 40 homens de sua agência de propaganda especialmente para esse projeto humanitário e universal, além do escopo do lucro. No fim das contas há um lucro para toda espécie e além.







DANÇANDO A MÚSICA EM MULTI-DIMENSÕES

As antenas (octaedros) do holograma de som 3D captam o campo sônico do corpo dos dançarinos e do fluxo do ambiente, o que significa que a música se torna dança interativa e os dançarinos começam a afetar a música.

Essas antenas, ao captar o som, feedback coerente (através de um filtro baseado em PHI), passarão apenas os ritmos harmônicos e coerentes do corpo que serão inseridos na música e transmitidos para o concerto estaremos dançando com nosso próprio Verbo.

Quando esses tipos de concerto estiverem conectados ao redor do planeta, as harmônicas de cada concerto influenciarão umas às outras, como uma sinergia que cria uma maior série de harmônicas e ressonâncias da música.

Música é ressonância instantânea. Sabemos das vozes de cantores de ópera que quebram vidro, ou as cordas de uma guitarra ressoando do outro lado da sala com as cordas do piano.

Agora imagine isso numa escala global, onde o DNA das pessoas estarão dançando com sua própria ressonância, pois esses concertos coerente e interativos estão apenas amplificando as harmônicas do DNA. Isso leva à movimentos de dança (como Tai Chi, artes marciais e danças sagradas, Mudras) que é uma espécie de dança do DNA e a soltura, ou a subida da kundalini, da mandala musical da força da vida.

Costumava ser um processo sexual, e em parte ainda é pra isso que nossa cultura se utiliza de festas. Você vai à festas para conhecer parceiros, isso é que acontece atualmente. Mas nesse processo você consegue uma comunicação via DNA com toda a espécie, tocando através da internet dentro de cada concerto e canção.Você começa a ouvir a biologia de toda a humanidade.

Não apenas ouve, mas sente. Não apenas sente mas seu corpo se move e ressoa com ela, se comunica com ela na canção global. E a música que seu corpo libera se torna parte da música. Então imagine o sol, a música da galáxia somada a isso (baixando o ruído de fundo galáctico, o carpete de microondas que é a fundação de nossa galáxia).



O evento se torna, literalmente, uma dança planetária com toda a galáxia. È uma dança viva e interativa com toda galáxia, uma síntese viva e energética, uma eco-estrutura holográfica amplificando a coerência com o zumbido galáctico, é a teoria da complexidade em ação, estaremos recolhendo o caos e transformando em coerência PHI, que é recursivo inPHInitamente, pra sempre, tanto em cima quanto em baixo.

Isso tudo é apenas a ponta do que podemos fazer, e está bem aqui e agora possível. Pela primeira vez na história registrada, é a primeira vez que a humanidade se conecta online harmonicamente com a galáxia. E somos saturados por cada harmônica singular da humanidade.

Portanto, começamos a nos tornar completos, nutridos, e começamos a ganhar acesso a todas as experiências que demoraríamos talvez vidas para ter, pois estamos dançando com elas no processo. É a dança da super-espécie coletiva: um organismo unicelular amebóide chamado “Todos”.

Todos os concertos são filtrados por neurônios virtuais. Então um concerto clássico é filtrado para uma rave através dos mesmos algoritmos e harmônicas, filtrados harmonicamente, não criando conflito. Isso gera uma espécie de canção global. Isso significa que cada concerto será um único e distinto representante de cada estilo. Seja ele egípcio, árabe, clássico, música veneziana, rock´n roll, hard rock, rave, pop, ambient, ou soul. Literalmente, todos os hologramas que temos de música se fundem numa única música.

Então você pode pegar isso para uma dança com o universo. Sim, podemos ter a galáxia descrita perfeitamente aqui. Mas como entramos em contato com a música além da galáxia?

Isso é feito através dos pulsares. E os sons de pulsar são baixados para a internet pela NASA e outras instituições de pesquisa astrofísica. Um pulsar é uma batida acelerada de tambor. Então às vezes você pode passar por um ciclo do pulsar. Um pulsar é um buraco branco inteligente. A informação do outro lado do universo passa por um buraco negro e sai através de um pulsar como um buraco branco.

Alguns cientistas como Paul La Violet, de Harvard, sugere que o rótulo original e a interpretação dos pulsares, LGM (Little Green Men), estava na verdade correto, as evidências acumuladas apontam um ETI (Extraterrestrial Intelligence).

De repente temos o som do outro lado do universo e estamos dançando com ele e nossa biologia o está sintetizando, em alquimia sonora.

Cada música se torna um fractal daquele interlúdio universal coerente, e aquele fractal se torna exclusivamente orquestrado para cada um dos concertos individuais em andamento, que formará a célula da canção global. Isso é parte do que pode acontecer.





Então poderemos ter eventos globais tais que xamãs, shamanas, cristãos e budistas formando naves estelares coletivas ou mandalas chacra vajra coletivas, em que estão realmente empenhados na transformação do corpo com tecnologia sonora supercondutora, que descrevemos como fazer em Unity Keys of Emmanuel em nível genético.






Se tudo isso estiver coordenado com programas de grade da Terra como o PHI Grid, e for feito de modo bem sucedido por no mínimo 6.080 pessoas e cada uma dessas mandalas/naves estelares coletivas estiverem conectadas com cada um dos concertos globais, não mais serão eventos separados, mas a biologia de cada um que estiver dançando com a música fará parte desse processo crescente supercondutivo da terra.

Uma integração totalmente xamânica e alquímica da humanidade.






O significado de tudo isso não pode ser apreciado sem os maiores detalhes e sua viabilidade como está documentado em Unity Keys of Emmanuel.



Isso foi só para dar um pequeno vislumbre de onde podemos potencialmente chegar. No meio-tempo, está ocorrendo a fusão dos diversos campos humanos, para o resultado coerente da consciência compassiva da unidade.



Questembetsa recebendo a iniciação e a preparação de umas das anciãs

XAMÃS ARCAICOS JUNTAM-SE EM UNIÃO

Algumas das mais arcaicas tradições xamânicas intactas sobreviventes estão na bacia amazônica. Líderes xamãs já deram seus sinais de cooperação em tal aventura global, de fato, eles já sabem sobre isso há um tempo, ao seu próprio modo.

Em março de 2000, o diretor de cinema Cult, Jan Kounan, especialmente famoso por seu filme Doberman, veio visitar nosso instituto Aton na Noruega, e entrevistou-me por 3 dias sobre minha pesquisa e experiência no xamanismo ocidental, e a  intrincada ciência neurológica envolvida.

Jan teve uma experiência que mudou sua vida ao encontrar os xamãs shipibo do Peru.
Sua experiência de quase morte abriu a porta que não permite retorno. Ele registrou em filme, pela primeira vez, usando uma câmera com visão noturna, uma cerimônia única que dura 3 dias e 3 noites, e levou seu mestre Questembetsa a ser reconhecido mundialmente. Ele é o chefe do seu povo, e treinou 45.000 deles pessoalmente.






Jan ficou tão chocado com o que experimentou entre a chamada cultura “primitiva”, com sua maestria em navegar dimensões escondidas, e usando-as pragmaticamente para a cura, adivinhação, busca pessoal, que ele está no processo de fazer um filme de 20 milhões de dólares baseado na sua transformação, que será combinado com um documentário internacional.

O filme estilo holiwood é de ficção científica em que um cowboy, no processo de morrer, encontra-se fora do corpo e encontra um xamã, que lhe dá um copo da sua panacéia, ou elixir, que contém os neurotransmissores que nossa própria glândula pineal produz quando temos sonhos lúcidos, que chamamos de os agentes soma da pinolina, harmalina e DMT.





O resto do filme é um vôo pelas dimensões extraordinárias que os elixires arcaicos com base na DMT impulsionam quem toma. Utilizando 60 computadores gráficos de silício (do tipo que foram usados para os efeito do “Contato” e “Guerra Nas Estrelas”), que eu vi quando Jan convidou-me para fornrcê-lo modelos hiperdimensionais com os quais construir esse Outro Universo.

O documentário que o acompanha, para a televisão internacional, irá delinear a neurociência e a aparente sofisticação nano tecnológica do DNA por trás do filme e dessa linhagem de xamanismo e o impacto que talvez cause em nosso futuro, tanto em medicina quanto na ativação das funções neurológicas mais altas(DMT e seus parentes da pineal podem ativar o cérebro até 40% mais). 




Quando Jan visitou o instituto na Noruega, nós preparamos o mesmo elixir, a mesma panacéia que ele conheceu, porém de plantas ocidentais da tradição gnóstica, popular, xamânica e alquímica que contém os mesmos ingredientes da glândula pineal. Jan ficou espantado ao descobrir que essa era a mesma medicina, porém permaneceu obscura como um dos grandes segredos do Ocidente, dentro da tradição hermética, gnóstica e alquímica envolvendo a árvore da acácia e ao arbusto de soma.




A visão do cineasta Jan Kounan no Instituto Aton, Noruega

Suas Visões similares a sonhos lúcidos foram reproduzidas por computadores gráficos de silicone e serão retratadas no documentário. Durante a visita eu o introduzi ao conceito da Revolução Ômega e da Canção Global.

Jan tem algumas facetas únicas para contribuir e Questembetsa concordou em juntar-se nessa aventura, com sua tecnologia sonora própria, que remonta milhares de anos, e na qual Jan apresentou ao ocidente para melhorar a qualidade de vida do povo shipibo.

A estrela ascendente Meja (“All ‘ bout the Money, “seven Sisters”), tem dado claros sinais de sua participação na revolução Ômega, em suas encarnações, conforme nos aproximamos da canção global 2012.







O EKG de Mary Sol Gonzale e o programa de Voz Coerente em PHI serão outras chaves para a Revolução Ômega.



“APRENDIZADO INTELIGENTE” - SINESTESIA FUNDINDO COMPARTIMENTOS

Através do “Aprendizado Inteligente” e música, estamos criando uma sinergia e síntese de campos que de outro modo permaneceriam separados, por exemplo: ocorre uma série de palestras sobre a mudança de paradigmas que estamos vivendo, e aí as pessoas vão dançar. Esses são campos supostamente distintos de áreas separadas.

Isso é o que está mudando. O que concordamos em fazer agora é uma fusão coerente desses campos. Em seminários, enquanto falo, há um carpete sonoro de harmônicas que escolhemos que são dançantes, que tem seus vales e picos. No crescendo da apresentação do seminário o volume aumenta e quando chega o intervalo, se funde em dança.

Isso, fizemos publicamente pela primeira vez em Berlin, em maio de 2000, juntamente com o DJ Cybersnack, DJ N-Ki,( e em 2001 com o DJ AZE/Charasmatix, e KIEN, com a participação inesperada de Iben). Esse é o aspecto do seminário, que começará a ocupar seu novo lugar holográfico.

UD3 (UNIVERSAL DANCES 2003, AUGUST 15-17, SWITZERLAND, VER: SHAMANU.CH)


KIEN: composto pelo DJ Cybersnack (esquerda) "Rebels From The Source", e DJ N-Ki (direita, Vincenco Bianco) do Trance Dance fame, Kien, e "Omega" com a participação de Ananda. Seminário dos alquimistas sonoros, Maio de 2000, Berlin. Junto com Dj Aze/Charasmatix

Em outro nível, há as cenas das festas rave, que estão crescendo. Aqui é onde eu, ou um palestrante que aborde a mudança de paradigma, se torna convidado do concerto, por bytes sonoros. E, por volta de 20 minutos, em meio de uma onda rolante do concerto, falo livremente sobre idéias novas que expandem a consciência, tais como o Ponto Ômega, interatividade dos vórtices do DNA, através do biofeedback, ou ativação do terceiro olho/pineal para a maior ativação neural (sexo cerebral), e a astrofísica de um Novo Universo emergente, intercaladas com sessões de música.

Em tal síntese coerente de campos, uma sequência holográfica se cria e se movimenta: a dança na palestra e a música ambientalmente acolhendo o campo mental da palestra, e o campo mental surfando sobre a superfície da dança das explosões emocionais, inaugurando implosões entre os dois, coerentemente, de modo que o conteúdo é relembrado(assim como podemos facilmente lembrar o nome ou a letra de uma música 22 anos depois).

Do mesmo modo, visionários parecidos do mundo todo estão começando a integrar e fundir suas idéias nas festas. Nesse meio tempo, animações computadorizadas vão ilustrando a geometria sagrada e inter-dimensional incluída nesses princípios harmônicos sonoros, os números dos ciclos da afinação, agora demonstrados em sua forma pictórica geométrica.
 




A grade PHI rastreada das 12 placas tectônicas (pentágonos) e anomalias gravitacionais no lago Geneva e SION, Suíça.

Então estaremos dançando com os próprios princípios expressos no som: vendo-os em figuras animadas, sentindo a música e movimentando o corpo ao ritmo da sua geometria ondulatória, ou mandala. As vezes, podemos ver os números mostrados nas pirâmides, e repentinamente perceber que estamos dançando com eles, e bytes de som visionário ecoam os princípios como uma poética viva e uma ciência alquímica.

Desse modo temos uma forma de super-aprendizado acontecendo, ou “aprendizado inteligente” como tem sido chamado.

Nos lembramos tão bem através de uma canção. Quando re-habitamos a atmosfera da canção, acessamos a memória total daquele tempo, espaço, emoções, pensamentos e atmosfera de quando foi registrada. Através de canções fica tão mais fácil lembrar, nós capturamos tudo no som.





Quando temos música junto com informação visual coerente, isso se torna memória instantânea que fica pra vida inteira e se torna uma experiência viva no processo.

A ciência por trás disso é que som é essencial para manter a eletricidade fluindo em nosso corpo. São necessários pelo menos 4.000 hertz de música para a saúde, que entra pelos ouvidos, estimula os nervos cranianos, e isso produz eletricidade. O décimo nervo craniano está em contato com todo o sistema nervoso. Então temos um constante fluir de elétrons por causa do som. Tendo-se sons harmônicos, acontece o que ficou conhecido por efeito Mozart, que aumenta o QI.
A Música barroca, que induz 8 hz e estimula a memória fotográfica. Meditação prática, integrada pra todo a vida. Nem é preciso dizer grandes empresas da Europa tem grande interesse nessa área.

Do mesmo modo, ritmos alfa 8hz nos impulsionam àquele estado em que já sabemos tudo. Na atividade cerebral de 8hz fazemos realmente isso, pois o DNA da vida viva, em seu fazer amor que resulta num bebê DNA, realiza um processo que faz com que o DNA se desenrole para dar nascimento por ressonância de 8 ciclos por segundo junto com as hélices duplas amantes.




Ananda dançando “Ômega”, por KIEN, no Prelúdio das Danças Universais, em Berlim, maio de 2000.

NO HORIZONTE DO RENASCIOMENTO DE UMA ABORDAGEM PARA O AROMANCE DA ATIVAÇÃO NEUROLÓGICA TOTAL

Assim como a informação era ilegal há uns 600 anos atrás, punível por uma morte agonizante, assim é a ativação do neo-córtex cerebral – mais do que um tabu na nossa cultura “moderna”. As tentativas e o trabalho dessa ativação neural superior é olhada com desdém, frequentemente deixando uma mancha naqueles que se aventuram a tentar. Um renascimento para um aromance cerebral coerente e total é mais do que necessário.

Os dois hemisférios do nosso cérebro fazem amor em 8 ciclos, tornam-se um através da união de 8 hz em igual conjugação de fase e então utilizamos todos os dendritos do nosso cérebro.Nesse ponto estamos em todo o cérebro ao mesmo tempo. Quando a música induz isso, temos o super-aprendizado, ou pode-se dizer super-lembrar-se do Virtual que já sabe, pois está em contato com aquela sabedoria, passado, presente, e futuro, por todo o universo.




Repentinamente temos um catalisador soberano para uma revolução cerebral e para a mudança de paradigma em direção ao Escathon de utilizar o cérebro todo ( e tudo o que pode surgir) – como no renascimento em que a igreja tornou a informação ilegal (a informação foi rotulada como um psicodélico, em status).

A reforma da informação renascentista teve pioneiros tais como René Anjou que patrocinou Joana Dark) e essencialmente criou a primeira biblioteca moderna pós-renascimento (agora aberta para a humanidade e não apenas à uma super elite sacerdotal), despertando um fluxo congruente de informação.

As pessoas podiam “viajar” na informação novamente. Agora temos a integração da informação na música. Assim como a música foi proibida e certas harmônicas musicais foram proibidas.

Quando tudo isso transborda e se combina, essas são todas ferramentas para nos lembrar quem somos em total ativação no estado do ponto Ômega: de 7 bilhões de personalidades múltiplas em desordem, que ao dissolver as barreiras amnésicas que nos dividem e separam do Plenum da memória ancestral, para a Civilização supraconsciente da super-espécie chamada “Todos”.







Assim como nossa memória ancestral interna dá nascimento à nossa super-consciência, que por sua vez, cura nosso corpo (já que 8hz harmoniza todas as outras ondas tanto acima como abaixo em PHI) e isso ativa o resto do nosso DNA(o trabalho do Dr. Reines demonstrou que ritmos cardíacos extáticos fazem com que hélices mortas de DNA se restabeleçam, como demonstraram as leituras de fluorescência) e nos faz capaz de utilizar o maior acervo tecnológico informacional que existe, nos conectando ao núcleo supercondutor de DNA, através de 8hz.

Quando conseguirmos fazer isso globalmente não mais será um processo egoísta de iluminação, nem um processo reservado para uma elite iluminati. Ao invés disso será uma taça que transborda podendo ser compartilhada com todos. Todos poderão se juntar na dança, na dança além do transe, um genuíno e novo aromance (romance – amor vs roma).

Nesse processo, a integração total de nossos bancos inconscientes de memória pode ocorrer, pois em 8 ciclos, o consciente e o inconsciente se fundem através da conjugação de fase coerente e áurea.

Quando escutamos e dançamos com a música de cada um num processo global, significa que podemos coordenar as partes inconscientes de cada um. Pois o que é inconsciente para alguém é consciente para outro. Quando isso ressoa junto, tudo que é inconsciente pode ser transmitido para uma superconsciência coletiva: a Super-espécie chamada Todos, literalmente  um organismo unicelular, cuja congruência é uma Membrana Virtual, a verdadeira internet(internet interna) da humanidade, que desperta a supercondutividade dentro de nossa biologia, numa Bodisatividade coletiva Pós-Gnose Pan Gaia Alquímica.





As ferramentas e os segredos dourados sempre estiveram por aí, apenas requerem a pedra filosofal extraterrestre ou extra-temporal ao “fim”, ou época Ômega, do tempo. O grande campo atrator que está aproximando as sincronicidades numa congruência coerente uniPHIcada da Unidade ComplexiPHIcada – uma perfeita pluralidade individual, com uma visão do olho único do Todo.

Ao divisão de 72. 250 bilhões de anos do universo por 64 está nos pressionando a cada 6 meses em sua congruência fractal (a lei de Bode ecoa com isso), onde o holograma temporal, ou a imagem fractal do tempo(a mesma forma do Corpo Búdico do Darma e do Estupa, a forma de todas as permutações possíveis do DNA, para todas as formas de vida possíveis), está então incorporada, espelho da totalidade do universo, a cada seis meses.

Em 2012, acontecerá a cada microssegundo, baseado no crescendo das ondas temporais reversas de novidade. Em outras palavras, toda a história do universo está ficando pronta para inserir-se em cada minuto. Isso requer uma canção global do DNA da espécie inteira, para habitarmos.

O que está acontecendo agora de descobertas científicas a cada seis meses é o equivalente a cem anos de ciência, de acordo com a lei de Bode. E esses 100 anos foram equivalentes a 500 do desenvolvimento histórico precedente.






Há uma compressão acontecendo, na qual todas as variedades do nosso DNA estão sendo “baixadas” ao mesmo tempo.

Isso significa um aumento de complexidade. Tudo se torna mais complexo, mas através da complexidade, mais simples. Mais de nós mesmos se torna presente através da complexidade. Temos uma compressão através de uma grande complexidade que é simplicidade.

Quanto maior a complexidade, maior a consciência da unidade. Na reconciliação da polaridade exacerbada de nossa época moderna, essa visão panorâmica indica que está ocorrendo um processo de formação de diamante – há uma aparente compressão de todo o tempo, de todos os ciclos do universo, ocorrendo a cada seis meses (que é também o tempo que nossos relógios atômicos necessitam ser reajustados para sincronizar-se com esse novo horizonte temporal, ver “The Unity Keys of Emmanuel para detalhes). O desenvolvimento musical subseqüente será uma dessas chaves e pedras.

Nossa Mente Universal está ficando pronta para habitar o Universo todo, incorporada em sua totalidade, em uma hora, minuto, segundo, e em 2012, em tempo algum, ao adentrarmos na Era Ômega como o Verbo Universal e Dança da Unidade Consciente Compassiva. No mínimo, é válido persistir com As Danças Ômega, mesmo que não resultem como um Filtro neutro da Super-Mente da espécie. O futuro está unicamente em nossas mãos, nós – como Tudo É Deus...

Ananda, 7 de  julho  de 2000 (atualizado em abril de 2001)






“Contatos” xamânicos através da DMT são agora  fato científico bem estabelecido.
Dr, Rick Strassman (DMT:A molécula do Espírito) mostra como a DMT da glândula pineal e a DMT exógena xamânica produzem a experiência de “contato” extraterrestre, diferentemente de qualquer outra molécula psicoativa. A glândula pineal e os elixires xamânicos são a chave para o contato extraterrestre, a antena do terceiro olho para o Ômega redescoberta.”











* * * * * * * *



 
Ananda Bosman é um músico e cientista visionário norueguês, iniciador da “Revolução AUMega na Música”, atua em áreas diversas, palestrante internacional, autor de diversos livros.

           http://www.aton432hz.info/










Pedro Ivo: Poeta, artista, escritor, tradutor, introdutor da Revolução AUMega no Brasil...
Mais informações: